Rodrigo Mattos: “Fla é fiel à ‘sua história’ para virar sobre Flu”

Ao descrever a reação sobre o Fluminense, pela Sul-Americana, o técnico Reinaldo Rueda observou que o ”Flamengo foi fiel à sua história”. Falava da luta rubro-negra em campo. A explicação da classificação do time dele, de fato, é muito menos uma questão lógica do que uma dessas viradas surgidas das profundezas dos estádios.
Do lado tricolor, o recuo excessivo levou a um empate derrotado em um jogo em que esteve mais perto do triunfo quase o tempo inteiro. Se sobrou ao Flu inteligência ao explorar falhas do rival no início, lhe faltou a estratégia de se jogar até o fim e de não se acomodar.
Vejamos a trajetória do jogo do início. Ao contrário do primeiro confronto, o técnico Abel Braga adiantou seu time desde o princípio, marcando o Fla em seu campo e explorando as falhas rivais. Deu certo e o time abriu o placar logo no início na Avenida Miguel Traucco onde Lucas desfilou.
O empate rubro-negro foi construído por seus talentos, Everton Riberto e Diego, mas era um ponto fora da curva em um confronto em que quem jogava era o Fluminense. O gol que deu vantagem ao tricolor com Renato Chaves, superando Arão, era só consequência disso. E assim foi no terceiro tento com o mesmo Chaves, o mesmo Arão, já no segundo tempo.
Houve a partir dali algo, uma transformação. Sim, a substituição de Rueda de Traucco por Vinicius Jr. ajudou ao avançar seu time e injetar ali um atacante veloz e talentoso. Mas, mais do que isso, houve um recuo tricolor, como quem ignora que Fla-Flu não se ganha de véspera, como quem espera o fim.
Não é uma boa ideia recuar diante de um Flamengo, desorganizado, mas lutador e contando com maioria na arquibancada. Um gol de Vizeu após magistral passe de Everton Ribeiro, improvável pois até ali o centroavante nem chegara nas bolas, e o clima do estádio mudou. A partir daí, seria pressão.
Rueda fez o que lhe cabia e jogou seu time com coração para frente. E aí, diga-se, a torcida do Flamengo pode reclamar de muita coisa do seu time atual, mas não pode reclamar de falta de luta. Os jogadores que estiveram ali foram muito Flamengo para empatar.
E o imponderável estava ali, sempre ao lado rubro-negro, abandonando o tricolor. Pois quando Rueda decidiu tirar um volante para botar Paquetá, os rubro-negros clamavam: ”Tire Arão, ele está cansando.” Mas quem saiu foi Cuellar e restou a Arão se redimir.
Os minutos restantes foram só sofrimento para o Tricolor lamentando ainda em campo a perda da vaga que se esvaia pelas mãos. A imagem que ficou foi de seus jogadores batidos por arrancadas de Vinicius Jr. que jogava um Fla-Flu como quem está no quintal de casa do alto dos seus 17 anos. O Flamengo não encontrou seu futebol, mas achou ”a sua história” em um jogo pelo menos.
Fonte: Rodrigo Mattos/Uol
Marcadores:

Postar um comentário

[facebook]

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/oficialsouflamengo} {twitter#https://www.twitter.com/SiteFlaHoje} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+FlamengoHoje} {youtube#https://www.youtube.com/create_channel}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget