Flamengo paga quase o dobro do Flu para jogar no Maracanã.

EPOCA EC: Em meados de 2013, Flamengo e Fluminense divergiram nos contratos que assinaram com a Odebrecht, àquela altura empossada administradora do Maracanã. Interessados em ganhos maiores em curto prazo, os flamenguistas fizeram um acordo no qual rachavam as despesas das partidas, mas ficavam com um percentual maior sobre a receita líquida conforme colocavam mais público no estádio. O acordo durava só até o fim do ano e
seria renovado anualmente toda vez. Já os tricolores preferiram um negócio mais seguro: assinaram um contrato de 35 anos, no qual tinham quase nenhuma despesa para arcar, mas estavam restritos às receitas de uma parte só das arquibancadas. Só faturavam aquele setor que lhes pertencia. Essa divergência hoje faz toda diferença – mas pelo motivo errado.

Conforme o negócio da Odebrecht desmoronou no Maracanã, por motivos já explicados aqui, a construtora quis abandoná-lo. Teria rompido o contrato de concessão com o governo do estado do Rio de Janeiro, que lhe dá a administração do estádio, se não tivesse sido compelida pela Justiça a continuar nele até que se encontre uma solução. Mas a solução não vem. O governo não se decide sobre o que fazer com o Maracanã, entre opções como entregá-lo a um outro administrador privado ou ceder a gestão dele aos clubes de futebol. Enquanto isso não acontece, a Odebrecht cruza os braços e se recusa a tocar a concessão como deveria. A empreiteira não faz as manutenções necessárias no equipamento público, e as direções dos times assumem essa responsabilidade pontualmente quando precisam jogar nele. Como na Libertadores. Como em clássicos.

Nesse cenário, o Fluminense se dá bem no curto prazo porque tem aquele contrato de três décadas debaixo do braço. Coloquemos números para deixar a comparação clara. No Fla-Flu do primeiro turno do Campeonato Brasileiro, no qual os tricolores eram mandantes, o Fluminense pagou R$ 100 mil de aluguel e R$ 422 mil por manutenções que na concessão original eram responsabilidade da Odebrecht. A construtora bem que gostaria de cobrar um aluguel muito maior, mas o aditivo do contrato dela com o clube, que aliás ainda é motivo de disputa na Justiça, impõe o teto de R$ 100 mil. O resultado financeiro da partida foi dividido entre os dois rivais após comum acordo, de modo que o Fluminense foi para casa com R$ 267 mil e o Flamengo com outros R$ 227 mil. São cifras muito menores do que um clássico tradicional como o Fla-Flu, ainda mais num estádio como o Maracanã, deveria gerar aos clubes. Mas não é de todo ruim quando se compara aos números do Flamengo.

No Fla-Flu do segundo turno da competição nacional, o Flamengo teve de negociar com a construtora pontualmente para que fizesse uso do estádio. Como não tem um contrato que lhe dê vantagem sobre a construtora, como o adversário tem, não tinha nenhuma barganha e saiu da negociação com valores muito piores. A partida custou R$ 250 mil em aluguel, além de R$ 594 mil em custos que pertenceriam à Odebrecht se a concessão fosse respeitada. Ambos os valores são superiores aos que o Fluminense pagou, dadas as diferentes condições com que cada um entra na negociação com a empreiteira. Um clube só não sobe nas costas do outro diante dessa situação porque as duas diretorias, antes do primeiro clássico, concordaram que os resultados deveriam ser divididos por igual. Sendo assim, o Flamengo teve uma receita líquida de R$ 11 mil e o Fluminense de R$ 13 mil no clássico do returno. Se não houvesse esse acordo pela divisão dos lucros, os tricolores levariam vantagem sobre os rubro-negros por causa das escolhas feitas em meados de 2013.

Os dois clássicos previstos entre Flamengo e Fluminense na Sul-Americana, nas quartas de final da competição latina, não terão o mesmo cavalheirismo. Não haverá divisão de renda. Os Fla-Flus de ida e volta precisarão ser jogados no Maracanã porque não há outro estádio no Rio de Janeiro, além do Nilton Santos, pertencente ao Botafogo, desafeto flamenguista, que comporte clássicos com torcidas mistas. A Ilha do Urubu, que está alugada ao Flamengo, não comporta com segurança um jogo no qual as arquibancadas se dividem igualmente entre rubro-negros e tricolores. Assim, a perspectiva é de desigualdade. O Fluminense, respaldado por um contrato de longo prazo que coloca um teto no aluguel cobrado pela Odebrecht, provavelmente terá resultado financeiro muito melhor do que o rival, que assumiu uma posição mais arriscada ao negociar contratos de curto prazo, uma decisão da gestão Eduardo Bandeira de Mello tomada lá em 2013, e agora não tem nenhuma carta na manga ao negociar aluguel e custos do Maracanã com a empreiteira.

Fonte: FlaResenha

Flamengo paga quase o dobro do que o Fluminense paga para poder jogar no Estádio do Maracanã.

Postar um comentário

[facebook]

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/oficialsouflamengo} {twitter#https://www.twitter.com/SiteFlaHoje} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+FlamengoHoje} {youtube#https://www.youtube.com/create_channel}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget