Flamengo não fez mais do que a obrigação (mas foi bonito de ver)

Vinicius Júnior e Felipe Vizeu comemorando gol pelo Flamengo - Foto: Divulgação
ESPN FC: Por João Luis Jr.

Antes de qualquer coisa é preciso ressaltar que o Palestino é uma equipe frágil. O quão frágil? Bem, lembra como estava o seu emocional na sétima série quando Fernandinha, aquela de cabelinho curto da sala 7B por quem você era apaixonado desde o pré-escolar, ficou com Renato, o grandão ruivo do primeiro ano, no meio do pátio, exatamente no dia em que você finalmente tinha tomado coragem pra chamar ela pra ir ao cinema? Então, o time do Palestino é mais frágil do que isso.

E mais descompromissado também, já que aparentemente abdicou de um treino em nome de um passeio na praia, deixando claro que a viagem ao Rio foi mais pra comer um biscoito Globo, levar um carregamento ilegal de Guaravita pro Chile, e a partida em si era apenas uma obrigação chata que eles queriam resolver logo pra chegar no Barra Music a tempo de pegar um show do Nego do Borel.

Então mesmo cientes de que a vitória de ontem, apesar de elástica e maiúscula, não serve como referencial para muita coisa - acredito que só no Campeonato Carioca de 2018 enfrentaremos de novo alguma equipe tão fraca quanto o Palestino, isso se a Cabofriense não se reforçar -, a partida foi importante por algumas razões.

Primeiro, é óbvio, por garantir uma sequência tranquila para o Flamengo na Sulamericana, onde ele na próxima fase enfrenta a Chapecoense. Num ano em que o título brasileiro já parece impossível e o time vive um momento de turbulência, nada mais importante do que se manter na disputa das duas competições que ainda nos restam, ainda mais sendo a Sula uma competição internacional, área onde o clube definitivamente precisa ganhar mais experiência e se tornar mais competitivo, dados os vexames recentes. (e por favor, não diga que ainda existe também a Primeira Liga, porque nem a Primeira Liga lembra que ainda existe a Primeira Liga).

Depois por ter dado a oportunidade para que Vinícius Junior desencantasse e marcasse seu primeiro gol pelo Flamengo, ainda que tenha permanecido em campo bem menos tempo do que poderia, já que numa partida como essa, contra uma equipe tão mais fraca e já com uma vantagem imensa do jogo de ida, esperava-se que Jayme ousasse mais na escalação inicial. Mas lembrando o quão tradicionalista é nosso treinador interino, o quão traumatizado é o Flamengo contra times sulamericanos e o quanto toda vantagem é pouca se você tem Muralha no gol, chega a ser quase compreensível que Vinícius tenha tido apenas meio tempo para deixar a sua marca.

Agora o Flamengo se mobiliza por dois motivos: o confronto contra o Atlético-MG, recém eliminado da Libertadores, que pode representar uma chance de reabilitação no Campeonato Brasileiro depois de uma série de resultados muito ruins, e a possível chegada do treinador Reinaldo Rueda, que aparentemente está nos estágios finais da negociação e pode já chegar ao Brasil sábado, comandando a equipe na próxima semana. Ou seja, ainda que alguns tenham dito que o ano parecia já ter acabado, pode ser que, de uma certa maneira, ele esteja recomeçando para todos nós agora.

Então mesmo cientes de que a vitória de ontem, apesar de elástica e maiúscula, não serve como referencial para muita coisa.

Marcadores:

Postar um comentário

[facebook]

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/oficialsouflamengo} {twitter#https://www.twitter.com/SiteFlaHoje} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+FlamengoHoje} {youtube#https://www.youtube.com/create_channel}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget