Berrío reviveu nossa esquecida marca registrada

Drible de Berrio em Victor Luís em Flamengo x Botafogo - Foto: Reprodução
FOLHA DE SÃO PAULO: Juca Kfouri

O "dibre", chamado pelos cultos de drible, sempre esteve no DNA do futebol brasileiro.

Os mais velhos se lembrarão de Luisinho, o Pequeno Polegar do Corinthians, que pisava na bola, a deixava parada no gramado, acompanhava seu marcador sem ela por um metro e voltava para buscá-la.

De Mané Garrincha nem é preciso lembrar, porque até quem ainda não nasceu sabe que jamais alguém dibrou, ou driblou, como ele.

Mais recentemente Ronaldo Fenômeno foi autor de dibres desconcertantes e lembrou Pelé que os aplicava em disparadas alucinantes.

Prova de que não é preciso ser pequeno como Luisinho, 1,65 m, nem ter as pernas tortas como Garrincha.

Ronaldo é alto, 1,83 m, e Pelé um atleta perfeito, a ponto de Paulo Amaral, preparador físico da seleção bicampeã mundial, na Suécia e no Chile, em 1958/62, garantir que, graças à curvatura de seus pés, ele seria recordista mundial dos 100 m se dedicado ao atletismo.

O colombiano Orlando Berrío também é forte e alto, com 1,82 m.

Com a camisa rubro-negra do Flamengo, no palco de Mané e Pelé, apenas num lance, quando seria substituído como foi, de calcanhar, aplicou um dibre, ou drible, da vaca, em Victor Luis, do Botafogo, e deu para

Diego o gol que valeu classificação à final da Copa do Brasil.

O lateral esquerdo de ascendência lituana, Zamblauskas no sobrenome, entra para a história do futebol brasileiro como o goleiro argentino Andrada, vítima do 1.000º gol de Pelé, ou como o volante Amaral, que até hoje procura desentortar a coluna depois que, no Pacaembu, num Corinthians x Flamengo, em 1999, Romário aplicou-lhe elástico, como fazia Rivellino, e fez um golaço, no último grande dibre do Século 20.

Flamengo e Botafogo faziam um jogo chocho, sem grandes emoções ou chances de gol, até que ele teve a ousadia de desmontar, com arte, a força defensiva do rival.

"Berrío corre pra lá

Berrío toca pra cá

Victor, o bote é pra já!

Já era, nem viu passar", sintetizou em haikai o ex-ombudsman desta Folha, Mário Magalhães, repórter de primeira, biógrafo premiado, tocado pelo gol que Berrío proporcionou, encantado a ponto de versejar, porque o dibre tem razões que até a língua portuguesa, inculta e bela, desconhece.

Tomara que Berrío inspire outros a seguir sua ousadia.

Como fez Jonathan, do Furacão, contra o Corinthians, em jogo recente no Itaquerão, ao fazer fila na quase impenetrável defesa alvinegra como faz Neymar.

Porque, como o gol, o dibre é fundamental.


Com a camisa rubro-negra do Flamengo, no palco de Mané e Pelé, apenas num lance, quando seria substituído.

Marcadores:

Postar um comentário

[facebook]

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/oficialsouflamengo} {twitter#https://www.twitter.com/SiteFlaHoje} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+FlamengoHoje} {youtube#https://www.youtube.com/create_channel}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget