Somos Chapecoense.

Arte: Divulgação
FLAMENGO RJ: Meus amigos, nunca imaginei que um dia eu pudesse vir a chorar por um clube que não fosse meu. Na última quarta-feira vibrei com a classificação da Chapecoense e com a grande defesa do goleiro Danilo (mais uma) na incrível narração de Deva Pascovicci, de quem eu era um fã assumido.

O trágico acidente que tirou a vida de jovens e promissores jogadores, de jogadores consagrados que estavam em seu melhor momento, de profissionais que entram quase que diariamente em nossas casas para que possamos esquecer um pouco dos problemas cotidianos, foram cobrir algum outro jogo de suam importância no céu.

Confesso que a cada homenagem, a cada cena vinda de Chapecó, a cada entrevista antiga meus olhos se enchiam de lágrimas, chorei por pessoas que não conheci, chorei por momentos que não eram do meu time, chorei por aqueles que perderam seus entes queridos, pelos filhos que não irão mais poder abraçar o seu pai, pelas esposas, pelas mães e pelos pais que não terão mais em seu convívio os seus campeões.

A última vez que me senti assim por uma tragédia, havia sido em 1994 com a morte do nosso herói Ayrton Senna, pois ontem o sentimento talvez tenha sido muito maior. Eu já havia lido as histórias dos acidentes envolvendo o Torino, o Manchester United e o Alianza Lima, mas nunca imaginei que pudesse viver essa história como vivi ontem.

Com alguns eu tive contato, como com o Mário Sérgio, de quem vi de perto me mostrar como bater na bola, como dar um efeito nela, isso qdo eu fui gandula da seleção de Master em 1989. O Victorino Chermont com quem tirei uma foto e pude bater um papo na Granja Comary no último treino do Flamengo antes do Hexa em 2009. Arthur Maia e Marcelo autografaram a camisa do meu pequeno Arthur quando ainda atuavam pelo Flamengo no ano passado.

A Chapecoense buscava conquistar a América, mas acabou por conquistar o mundo, conquistou o Céu, afinal de contas para quem vinha subindo desde 2009, só poderia mesmo atingir o Céu.

Vamo, Vamo Chape, vocês são gigantes. Se o nome Condá significa paz e união, o momento mostra isso, nos unimos em torno de vocês, Somos Todos Chapecoense!

SRN!

Marcelo Neves

Victorino Chermont com quem tirei uma foto e pude bater um papo na Granja Comary no último treino do Flamengo antes do Hexa em 2009.

Marcadores:

Postar um comentário

[facebook]

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/oficialsouflamengo} {twitter#https://www.twitter.com/SiteFlaHoje} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+FlamengoHoje} {youtube#https://www.youtube.com/create_channel}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget