Flamengo tentará vender Naming Rights do Estádio Luso Brasileiro.

Atual fachada do Estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador - Foto: Márcio Neves
GLOBO ESPORTE: Trabalhando em mais de duas frentes pelo sonho do estádio próprio - já que pleiteia junto à prefeitura ampliação da Gávea -, o Flamengo planeja faturar com a Arena da Ilha. O clube prepara apresentação para o mercado publicitário para buscar patrocinadores e ainda vender os naming rights do estádio.

Em 2005, o estádio Luso-Brasileiro, também conhecido como estádio dos Ventos Uivantes, virou Arena Petrobras. A estatal do petróleo ergueu as arquibancadas para quase 30 mil pessoas assistirem as partidas. Com a possível manutenção das arquibancadas instaladas pelo Botafogo, que negocia com o Flamengo a permanência da estrutura, a ideia agora é faturar com a venda do "nome" do estádio. A diretoria do Flamengo evita colocar valores e lembra a dificuldade de outros rivais com estádios novos e ainda sem sucesso em vender os naming rights de suas arenas.

- Precisamos ver algumas coisas: quantos jogos vamos fazer lá, qual o apetite do mercado. Não adianta dizer que esperamos um valor X se o mercado não chega nem perto. Não trabalhamos assim - explica o vice-presidente de finanças do Flamengo, Claudio Pracownik, lembrando que a Arena da Ilha também é oportunidade para desenvolver sócio torcedor no Rio.

A diretoria rubro-negra aguarda os próximos passos da Odebrecht e do governo sobre a solução Maracanã. Na Gávea, a sensação é de conforto com a solução alternativa da Arena da Ilha. A pressão está com o governo, que não terá o Flamengo como usuário do estádio se não fizer nova licitação ou aceitar a proposta da CSM. Mais que uma garantia, o estádio Luso-Brasileiro pode ser uma opção mesmo com um possível acerto com o Maracanã.

- A Ilha na verdade até pode vir a ser um estádio complementar. Mas existem possibilidades que serão definidas de acordo com a definição por parte do Governo do Estado - disse o vice-presidente de patrimônio do clube, Alexandre Wrobel.

O imbróglio do Maracanã vem se estendendo. Após assumir a gestão do estádio em 2013, o consórcio da Oderbrecht pediu rescisão do contrato ano passado. Desde então, o Flamengo ficou irredutível e passou a dizer que não abriria mão de uma administração que colocasse o clube como o protagonista no estádio. O clube tem um pré-contrato nestes moldes com a CSM.

A abertura recente do Botafogo de alugar o Engenhão para outros clubes jogarem no estádio da zona norte também soou bem pelos lados da Gávea. Dependendo da solução que o governo der ao Maracanã, a solução Engenhão para grandes jogos é mais viável financeiramente ao Flamengo. Neste ano, o Alvinegro não topou abrir negociações e chegou a recusar oferta de R$ 3 milhões por 10 jogos no Engenhão - o acordo serviria também para por fim ao imbróglio judicial do caso da transferência de William Arão para o Flamengo.

A diretoria evita colocar valores e lembra a dificuldade de outros rivais com estádios e ainda sem sucesso em vender os naming rights.

Postar um comentário

[facebook]

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/oficialsouflamengo} {twitter#https://www.twitter.com/SiteFlaHoje} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+FlamengoHoje} {youtube#https://www.youtube.com/create_channel}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget