Flamengo Hoje

Últimas Notícias:

Foto: LC Moreira
ESPN: Já classificado para a segunda fase da Primeira Liga e pensando no clássico contra o Vasco pela semifinal da Taça Guanabara, o Flamengo poupou quase todos os titulares.

Mesmo assim, o time rubro negro empatou fora de casa com o Ceará por 0 a 0. O duelo válido pelo Grupo B da Primeira Liga foi realizado no estádio do Castelão, em Fortaleza, nesta quarta-feira.

Com três partidas disputadas no torneio, a equipe carioca soma sete pontos e garantiu a primeira colocação da chave. O clube cearense tem pontos, está na segunda colocação e ainda enfrentará o Grêmio, em Porto Alegre, no dia dois de março, às 21h30.

O técnico Zé Ricardo usou uma formação com apenas o goleiro Alex Muralha da equipe ideal. Já os donos da casa estrearam o treinador Givanildo de Oliveira, que veio para o lugar de Gilmar Dal Pozzo.

O primeiro tempo teve boas chances para as duas equipes. Vizeu e Magno Alves levaram bastante perigo aos goleiros.

Aos seis minutos da segunda etapa, Cametá recebeu na entrada da área, puxou para dentro e chutou forte de perna esquerda. Muralha fez defesa incrível e evitou o gol.

A resposta rubro-negra veio com Matheus Savio. Ele arriscou um chute forte da intermediária do ataque e Everson agarrou.

O Ceará chegou a abrir o placar aos 26 minutos, mas o gol foi invalidado. Romário cruzou para Lelê, que acertou a trave. No rebote, Magno Alves cabeceou para o fundo das redes, mas impedimento já estava marcado.

Aos 38, Cafú driblou o defensor e chutou de fora da área. Éverson defendeu duas vezes para salvar a meta cearense.

Foto: Rafael Moraes / Agência O Globo
EXTRA GLOBO: A Prefeitura de Volta Redonda, após consultar o comando do policiamento local, informou que não concordava em receber o clássico entre Flamengo e Vasco, no sábado, pela semifinal da Taça Guanabara. Minutos depois, porém, o prefeito Samuca Silva disse que não se opõe ao jogo, desde que haja garantias de segurança. Foi feito contato com o presidente da Federação, Rubens Lopes, para garantir o acordo.

Primeiramente, em contato com o gabinete do prefeito, a reportagem foi informada que nenhum comunicado oficial dos clubes havia chegado ao local. A disposição foi para o jogo do Fluminense, que enfrentaria o Madureira sábado.

O prefeito ligou para o 28° Batalhão de Volta Redonda e ouviu que não haveria efetivo para o jogo em função do carnaval, mesma justificativa de Juiz de Fora. O coronel Damião Luis Portella informou, à imprensa local, que, "sozinho, o 28 Batalhão não tenho como garantir a segurança".

Na reunião entre clubes, federação e o juiz que ordenou a torcida única no Rio, Volta Redonda virou opção pois batalhões do interior seriam deslocados. Foi assegurado pelo Chefe do Estado Maior da PMERJ Coronel Cláudio Lima Freira que a Polícia pode assegurar o deslocamento do efetivo integral de 110 policiais do GEPE, além de 40 adicionais deslocados para apoio ao GEPE para segurança da área interna do estádio e deslocamento dos times, bem como de 150 a 200 policiais na área externa ao estádio.

O presidente da Ferj, Rubens Lopes, havia dito mais cedo que a decisão precisava sair nesta quarta-feira.

- Encaminhamos a ele um documento para ele analisar, a pedido da Secretaria de Esportes. Mandamos uma cópia da decisão do magistrado. Esperávamos que respondesse rápido porque precisa da logística de venda de ingresso. Foi pedido. Ela vai dizer sim ou não. Se disser não, paciência. Precisa que ela decida hoje - disse Rubens Lopes.

Mais cedo, em nota, a prefeitura de Volta Redonda chegou a colocar o jogo em risco:

"Até este momento, a prefeitura não foi notificada, nem pela Federação de Futebol do Rio de Janeiro, nem pela Justiça Desportiva, nem pelos clubes, sobre a realização deste jogo entre Flamengo e Vasco no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

O prefeito Samuca Silva entrou o contato com o comandante da 28º Batalhao da Polícia Militar, Damião Luiz Portella, que disse que não tem efetivo sufuciente para garantir a segurança do jogo.

A cidade não tem condições de receber o clássico com torcida mista.

O prefeito Samuca Silva havia autorizado a realização do jogo entre Fluminense e Madureira. Vasco Flamengo não."

Estádio Raulino de Oliveira - Foto: Divulgação
GLOBO ESPORTE: A prefeitura de Volta Redonda emitiu uma nota negando que a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro tenha entrado em contato com ela. De acordo com a prefeitura, a cidade não tem condições de receber o duelo entre Flamengo e Vasco com a torcida mista.

Confira a nota da prefeitura de Volta Redonda:

"Até este momento, a prefeitura não foi notificada, nem pela Federação de Futebol do Rio de Janeiro, nem pela Justiça Desportiva, nem pelos clubes, sobre a realização deste jogo entre Flamengo e Vasco no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

O prefeito Samuca Silva entrou o contato com o comandante da 28º Batalhao da Polícia Militar, Damião Luiz Portella, que disse que não tem efetivo sufuciente para garantir a segurança do jogo.

A cidade não tem condições de receber o clássico com torcida mista.

O prefeito Samuca Silva havia autorizado a realização do jogo entre Fluminense e Madureira. Vasco Flamengo não."

Foto: Pablo Jacob | Agência O Globo
O GLOBO: Eduardo Bandeira de Mello não foi comunicado pela GL Events sobre a desistência do consórcio de disputar a concessão do Maracanã.

O presidente do Flamengo não ficou satisfeito com a decisão. Motivo: a GL tinha um acordo com o Fla para o uso do Maracanã.

A GL não admite fazer proposta alguma pelo Maracanã nas condições propostas por recomendação dos seus advogados. Assim, a Lagardère fica sendo a única candidata a ficar com a concessão do estádio.

Só que o Flamengo tem péssimas relações com a Lagardère.

Diz Bandeira:

— Chance nenhuma de o Flamengo jogar no Maracanã com a Lagardère. Agora é show de música e papai noel. O Flamengo não jogará mais no Maracanã.

Apesar da fala do presidente, o Flamengo anunciou que jogará no estádio em sua estreia na Copa Libertadores, dia 8 de março.

O acordo foi feito com a Odebrecht, atual responsável pelo Maracanã.

Foto: Reginaldo Pimenta / Raw Image / Lancepress!
LANCE: O início promissor de Trauco deixa a torcida do Flamengo ainda mais otimista em relação à sua trajetória. Com um gol e cinco passes em seis jogos pelo Rubro-Negro, o peruano deixa para trás o começo de trajetória de muitos nomes que assumiram a posição.

Do prata da casa Jorge a Juan, o LANCE! detalha como foi o começo de atletas que ocuparam recentemente a lateral esquerda do Flamengo.

- Em seis jogos no Flamengo, Trauco marcou um gol e deu cinco passes para Rubro-Negro estufar a rede.

- Revelado no clube, Jorge passou em branco em seus seis primeiros jogos como profissional do Fla.

- Armero atuou em cinco partidas pelo Flamengo, e deu passe para dois gols.

- Em início no Flamengo, Anderson Pico marcou um gol e deu passe para dois gols.

- Nos cinco jogos que fez pelo Rubro-Negro, Thallyson passou em branco.

- Com segunda passagem no Fla em 2013, André Santos iniciou trajetória na Gávea em 2005 tendo seis jogos em branco.

- Rodrigo Alvim também não deixou gols ou assistências nos primeiros jogos pelo Flamengo.

- Juan, que ocupou por anos a titularidade da lateral esquerda, não conseguiu dar passes ou fazer gols nos seis primeiros jogos no Fla.

Foto: Celso Pupo/Agência Lancepress!
LANCE: A saída do consórcio GL Events/CSM do processo de compra da concessão do Maracanã junto à Odebrecht pegou de surpresa até mesmo o Flamengo, que é parceiro do grupo na concorrência para saber quem ficará responsável pela gestão do estádio pelos próximos 33 anos. A rival do consórcio na disputa é a francesa Lagardère, que passa a ser a única empresa interessada na compra do Maracanã e cuja proposta gira em torno de R$ 60 milhões.

Apesar da assessoria da GL Events ter confirmado a desistência na disputa, o Flamengo diz acreditar que a empresa continuará na briga pelo estádio.

- Só ouvi boatos. Não tivemos nenhuma informação precisa sobre isso – afirmou Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, ao ser questionado sobre a notícia da saída do consórcio GL Events/CSM da disputa pelo Maracanã.

Por conta das dúvidas em relação à gestão futura do estádio, o Flamengo tem investido na modernização da Arena da Ilha, na Ilha do Governador, e pretende usá-lo como alternativa ao Maracanã. Entretanto, o clube divulgou nota nesta quarta-feira afirmando que utilizará o estádio na estreia do time na Libertadores, no início de março.

Foto: GAZETA PRESS
MAURO CEZAR PEREIRA: O Flamengo corria contra o tempo para finalizar as reformas do estádio da Portuguesa, onde mandará jogos por pelo menos três anos. O objetivo era estrear na Copa Libertadores dia 8 de março, contra o San Lorenzo, na Ilha do Governador. Mas o tempo poderia ser curto para obtenção de todos os laudos e autorizações, com isso, era preciso encontrar outro estádio na cidade do Rio de Janeiro.

Se mandasse a peleja em Brasília, por exemplo, o clube correria o risco de ser obrigado a lá realizar os demais cotejos pela Libertadores. Dependeria de autorização da Confederação Sul-americana para alterar o local de suas partidas. Como os rivais Botafogo e Vasco não cederiam Engenhão e São Januário, os rubro-negros foram atrás do Maracanã. E conseguiram um acordo específico para este jogo.

As despesas para colocar o Maracanã em condições serão bancadas pelo Flamengo, que inspecionou o estádio. O clube poderá arrecadar mais do que se jogasse na Ilha (após a ampliação terá 20,5 mil lugares), mesmo com capacidade reduzida — é possível que o palco da final do Mundial 2014 seja reaberto para menos do que seus 78.838 lugares, devido aos problemas causados pelo abandono pós-olímpico.

A oportunidade de estrear na Libertadores no Maracanã vinha sido trabalhada há algum tempo pelos rubro-negros. Não por acaso, a Odebrecht convocou a empresa que cuida do gramado. Ela voltou a tratar do piso na sexta-feira. O prazo até o confronto com os argentinos é considerado suficiente para sua recuperação. O cenário era pior após a Olimpíada, que até buraco no campo deixou.

Colocando o Maracanã em condições para o dia 8, o Flamengo terá dado bela cartada, estreando no Rio de Janeiro, caracterizando a cidade com sua sede na Libertadores, atraindo mais torcedores e com chances de faturamento maior. Simultaneamente, poderá concluir calmamente as obras na Ilha, opção para a maioria das partidas, inclusive algumas do torneio sul-americano.

A questão passa a ser outra. Se em poucos dias o Maracanã for colocado em condições de uso, até que ponto são reais os relatos de que o estádio precisaria de investimentos de muitos milhões de reais para ser recuperado. Que estava se deteriorando, abandonado, largado, não resta dúvida. Mas será que os problemas da "arena" padrão Fifa são tão graves ou houve uma, digamos, dramatização?

Há ainda o Fluminense, que por contrato poderia jogar lá sem custo. Mas o estádio que não está à disposição dos tricolores receberá o Flamengo. Confuso, não? Em meio à disputa para saber quem ficará com o Maracanã, Lagardére ou CSM/GL Events, marcada por boatos e informações desencontradas, a volta repentina do futebol ao local despertará dúvidas, discussões, reflexões. E cálculos.

A matemática pode pesar mais um pouco em meio a lobbies e ao jogo político que envolve o estádio que custou R$ 1,2 bilhão.

Foto: Divulgação
EXTRA GLOBO / GLOBO ESPORTE: O Flamengo anunciou nesta quarta-feira que o Maracanã será o palco da estreia contra o San Lorenzo, no dia 8 de março. Pelo estado de abandono do tradicional palco das torcidas cariocas, a arrumação do estádio a 15 dias da partida surpreendeu.

O diretor passou a mensagem da diretoria que vai tentar privilegiar o desempenho esportivo em detrimento das finanças em 2017.

- Temos compromisso com atletas e torcida, e vamos privilegiar os jogos no Rio. Toda vez que puder jogar no Maracanã, é um brinde que damos à torcida e ao Rio. O Flamengo é o grande motor que vai permitir a continuidade do estádio do Maracanã - reforçou.

Por fim, o dirigente confirmou que o clube entregou à Conmebol uma lista de estádios com Maracanã, Ilha e mais um.

- A obra não é completamente previsível, temos alguns atrasos. Teríamos alternativas à Ilha. Mandamos documento para Conmebol, onde dissemos que o Maracanã era prioridade, a Ilha era outra opção, e um terceiro estádio, que vamos deixar guardado por enquanto.

O valor dos ingressos já estão definidos?

- Ainda não definimos. Estamos discutindo hoje, agora. Os preços serão compatíveis com preços de Libertadores. A Ilha sempre foi nossa alternativa. É um seguro que temos para o Flamengo garantir a maioria dos jogos no Rio. A gente não tem a segurança de que teremos o Maracanã. Já consideramos um fato extremamente positivo viabilizar o Maracanã no primeiro jogo da Libertadores. É surpreendente para muita gente, mas é um sinal muito bom. Mostramos que o Maracanã pode ter jogo. Se é sustentável ou não a longo prazo, vamos ver para frente. Quanto à Ilha, a gente sabe que toda obra tem fluxo, pode atrasar, pode não atrasar, há insumos importados que demoram para chegar. Tem algumas questões que mexem um pouco no prazo. Se não tivéssemos também o Maracanã arrumaríamos outra alternativa, que não vou falar qual era (risos).

Torcida do Flamengo cantando no Maracanã - Foto: Cris Dissat/Fim de Jogo
GLOBO ESPORTE / EXTRA GLOBO: O diretor-geral do Flamengo, Fred Luz, deu garantias de que o Maracanã estará em condições para receber o jogo contra o San Lorenzo, na estreia da Libertadores, dia oito de março. Segundo o dirigente, a empresa que cuida do gramado confirmou que a manutenção será feita a tempo, e que as condições podem ser até melhor do que as encontradas no jogo contra o Corinthians, pelo Brasileiro, ano passado.

- O Maracanã tinha um buraco no meio do campo antes do jogo com o Corinthians, e já tinhamos feito análises junto com as empresas. O Flamengo já tem até um conhecimento maior para organizar o jogo, vamos ter condições de ter jogo no Maracanã. Não vão ser as condições finais, ideais, não é o Maracanã totalmente recuperado, mas um pouco melhor que no jogo com o Corinthians. - aposta o dirigente.

Segundo Luz, que concedeu entrevista à Fox Sports, o Flamengo conversou com o consórcio há 20 dias para tentar viabilizar a partida no Maracanã.

- O Flamengo nunca desistiu do Maracanã. É o palco prioritário. Procuramos o consórcio há cerca de 20 dias para estudar a possibilidade de jogar a abertura da Libertadores - disse o diretor.

Sobre a manutenção, a empresa Greenleaf faz o cuidado do gramado e espera finalizar a tempo.

- Temos parceria forte com a Greenleaf, que cuida dos gramados do Flamengo. Já vinhamos conversando com eles ao longo do processo. Chegou a ficar sem luz, eles usaram caminhões-pipa. Eles estão nos dando segurança que o gramado estará em condições - afirmou Fred Luz.

Confira a entrevista com o dirigente rubro-negro:

Como foi possível garantir o Maracanã, que está - e vemos isso em diversas imagens recentes - praticamente abandonado, para a estreia na Libertadores?

Fred Luz: Primeiro quero deixar claro que era um compromisso da diretoria do Flamengo com o elenco este ano: tentar fazer o mínimo de viagens possível. Por isso fizemos o esforço do estádio da Portuguesa foi nesse sentido. Mas nos jogos de maior relevância, como a estreia da Libertadores, contra o San Lorenzo, com toda a qualificação do nosso elenco, era uma situação que sabíamos que ia atrair bastante. Então, a gente abriu conversa com a Odebrecht há cerca de 20 dias. Era uma solução complexa porque tínhamos que ver como estava o Maracanã: conseguimos fazer alguns testes (funcionamento elétrico, capacidade do campo de estar em condições, irrigação, ar condicionado, acesso e tudo mais) na segunda-feira passada e construímos acordo potencial com a Odebrecht para o dia 8. Mas é bom deixar claro, como falamos na nota oficial, que isso não tem nada a ver com o processo de solução estruturada e longa que a gente torce para que venha a acontecer no Maracanã.

O que vocês encontraram no estádio?

Ainda precisamos de algumas verificações, como por parte do Gepe, mas no nosso entendimento o Maracanã está em condições melhores do que estava quando pegamos para usá-lo contra o Corinthians (segundo turno do Brasileiro). Também fizemos esforço naquela ocasião. Isso (estar melhor agora do que ano passado) nos animou. Assim, acertamos com o Consórcio Maracanã especificamente para esse jogo. O que é um brinde também para a torcida do Flamengo. Voltamos a sentir o cheirinho do Maracanã.

Você falou em ter relação mais duradoura com o estádio. A GL e CSM avisaram que se as regras da Odebrecht não mudarem estão fora.

Não posso falar por eles, não somos partícipes diretos dessa negociação, só somos parceiros. Agora, o que está em curso é um processo negocial, temos acordo com a GL e CSM e a gente espera que esse caso seja bem resolvido.

Flamengo, naturalmente, arca com os custos dessa volta ao Maracanã?

A Odebrecht, o Comitê, o Governo deram Maracanã de graça quando pegamos no Brasileiro? Não, claro que não. Vamos assumir todas as responsabilidades do Maracanã. Daqui para frente vamos criar as condições para estar em condições dia 8. Vamos gastar dinheiro no Maracanã, claro. Ainda nem sei quanto, mas isso vai aparecer no borderô.

E em relação ao gramado. Há tempo hábil de recuperá-lo?

Temos ótima relação com a Greenleaf, que cuidam de todos nosso campos. Sempre estamos conversando com eles. O Flamengo não entra em aventura. Essa administração tem sido extremamente responsável em realizar o que a gente combina. Os quatro primeiros jogos que tocamos no Maracanã foram os melhores de organização do estádio, os do Fluminense também. Foi tudo direitinho, tudo funcionou bem.

Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
UOL / ESPN: O presidente do Vasco, Eurico Miranda, detonou a decisão pela marcação da semifinal da Taça Guanabara com o Flamengo, sábado (25), para o estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. 

O dirigente considerou um absurdo o duelo não ser realizado no Nilton Santos (Engenhão), pois a Polícia Militar não deu garantia de segurança por conta do Carnaval.

"A liminar foi suspensa de forma provisória, mas o Vasco se isenta sobre isso. A polícia diz que não pode dar segurança. Está claro a falência da segurança pública. Estou descontente com a constatação de que a PM não tem condição de dar segurança em uma partida de futebol. Abstrai qualquer problema de violência externa. Isso precisa ser tratado. Quando a polícia vem e diz que não tem condição de dar segurança porque tem carnaval, futebol de praia...", afirmou.

Eurico também disse que só concordará em colocar o Vasco em campo em Volta Redonda se o clube cruzmaltino for "isento de responsabilidade" pela segurança. O cartola estava visivelmente irritado por não poder jogar no Rio de Janeiro.

"Houve uma reconsideração provisória da decisão do jogo baseada nas informações da polícia. Ficou definido que será em Volta Redonda. A polícia alega questão de efetivo para garantir o jogo no Engenhão, seja com uma torcida ou com duas", disse Bandeira de Mello.

Para o clássico ser disputado em Volta Redonda, a partida entre Fluminense e Madureira, que jogam a outra semifinal da Taça Guanabara, será em Los Larios, em Xerém.

O presidente da Ferj (Federação do Estado do Rio de Janeiro), Rubens Lopes, admitiu a inversão de mando das partidas para que o clássico tenha duas torcidas. Mas disse que o jogo só será em Volta Redonda se a prefeitura da cidade concordar.

"Acabamos de falar com a prefeitura de Volta Redonda que a única forma de realizar essa rodada seria uma inversão de partidas, tirando o Fluminense e Madureira de lá e mandando o clássico para a cidade. A decisão final vai ser submetida ao prefeito. Depende da resposta dele", disse Rubens Lopes, presidente da Ferj.

Bandeira da Raça Rubro-Negra na torcida do Flamengo, no Estádio Raulino de Oliveira - Foto: Cris Dissat/Fim de Jogo
GLOBO ESPORTE: Após tentativas frustradas de levar a semifinal da Taça Guanabara entre Flamengo e Vasco para fora do Rio de Janeiro, os clubes foram atendidos e poderão jogar para torcida divida no estado. O local, porém, não será o estádio Nilton Santos. Dentro do que foi acordado, o clássico está marcado para o Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, num primeiro momento às 17h (de Brasília), enquanto Fluminense e Madureira se enfrentam em Los Larios, em Xerém.

Nesta quarta-feira, em reunião de aproximadamente 3h30 no Fórum Central do Rio, que contou com a presença do juiz Guilherme Schiling e representantes das partes envolvidas e Polícia Militar, a liminar que determinava torcida única nos jogos no Rio de Janeiro foi suspensa excepcionalmente para realização das semifinais. Para a final será necessária outra análise.

A pressa agora é para iniciar venda de ingressos. O Estatuto do Torcedor prevê que as vendas se iniciem 72 horas antes do evento. Contudo, o Artigo 20 reduz o tempo para 48 horas em casos nos quais "a realização não seja possível prever com antecedência de quatro dias.

O primeiro a falar ao deixar a audiência, Eurico Miranda disparou contra a Polícia Militar, que não garantiu segurança para realização de nenhum dos jogos das semifinais no Engenhão.

- O que conseguimos tirar disso aí foi a falência da segurança pública. Foi a Polícia Militar dizer que não garante ter um jogo, não é só Vasco e Flamengo, mas Fluminense e Madureira se fosse realizado no Nilton Santos. A única coisa que posso comentar é que a situação que a gente passa no estádio é a mesma que tenho que andar, não posso ter relógio, nada, porque segurança não existe. A Polícia não dá segurança. Se chegasse e desse, estava tudo certo.

Eduardo Bandeira de Mello atendeu a imprensa e destacou que toda a responsabilidade acerca da segurança é das autoridades, mas que o Flamengo estará auxiliando como puder.

- A responsabilidade é sempre das autoridades policiais, não dos clubes. O Flamengo vai fazer de tudo para colaborar com eles. Os clubes não são responsáveis por segurança, mas as autoridades estiveram aqui presentes e garantiram.

Entenda o caso:

Na sexta-feira, dia 17 de fevereiro, a determinação de torcida única movimentou os bastidores dos clubes do Rio. A primeira reação foi de Eurico Miranda, que afirmou - e mantém a postura até hoje - que o Vasco não entraria em campo caso a medida não fosse cassada. Flamengo e Fluminense também foram contrários; o Botafogo mostrou interesse em fazer um teste, mesmo não abraçando a causa por completo.

Sem definição, a alternativa mais segura era levar a semifinal para fora do estado. As primeiras opções foram Manaus (preferência do Vasco) e Brasília (escolha do Flamengo), mas as negociações não avançaram. Nesta segunda-feira, a Ferj surpreendeu ao colocar Juiz de Fora como local do duelo, mas, no dia seguinte, Prefeitura e Polícia da cidade mineira, que afirmaram nem mesmo terem sido contactadas por ninguém da Federação do Rio, vetaram a realização, alegando grande número de compromissos com o Carnaval da região.


Foto: Custódio Coimbra / Agência O Globo
O GLOBO: A briga entre a Maracanã S.A. (Odebrecht e AEG) e o Comitê Rio-2016 sobre as condições do estádio ganhou novo capítulo. Nos documentos entregues pela defesa da concessionária à Justiça, foram destacados trechos dos laudos apresentados pelo Rio-2016, nos quais, segundo a Odebrecht, foram constatados itens soltos na cobertura. De acordo com o documento, esses objetos têm risco de queda e poderiam ter colocado em xeque a segurança dos torcedores que estiveram no Maracanã no ano passado. O Rio-2016, por sua vez, baseando-se nos mesmos laudos, acusa a Odebrecht de já ter entregue o estádio com essas falhas. Caberá à Justiça decidir responsabilidades.

O Rio-2016 contratou duas empresas renomadas (a alemã SPB e a brasileira Promon) para avaliar eventuais danos que os equipamentos extras colocados na cobertura do Maracanã para as cerimônias poderiam causar. A Odebrecht se baseia em falhas apontadas nesses laudos para tentar não reassumir o Maracanã enquanto o Rio-2016 não realizar os reparos.

Nesses laudos, consta que “o sistema de fixação do equipamento de som próximo ao eixo 3, um problema típico para os demais pontos onde há o mesmo equipamento, apresenta problemas que devem ser reparados devido a risco de queda dos aparelhos.” E também que “as caixas de som não estão fixadas por solda, nem aparafusadas na estrutura da passarela, havendo risco de queda”.

O laudo chama atenção, em vários pontos, para o “alto risco de queda e sérios acidentes.” Segundo o Rio-2016, contratante dos laudos, esses itens já constavam no primeiro documento feito pela SPB, em março de 2016 — quando assumiu o estádio — , e que as peças estão soltas há mais tempo.

O documento diz ainda que “numa inspeção minuciosa nas grades de piso das passarelas tangenciais e radiais, foram verificados que vários pinos e parafusos de fixação não estão devidamente colocados e torqueados, posto que várias delas estão soltas. Parte da grade de piso está danificada, abrindo um espaço considerável, o que representa riscos para usuários.”

Além disso, ainda segundo os documentos que constam da defesa da Odebrecht, “requerem imediata atenção problemas que continuam no estádio até a presente data e que representam riscos aos usuários, dentre os quais: remoção dos equipamentos e objetos soltos sobre os painéis de membrana, para evitarem-se riscos de danos e rupturas de tecido; recolocação das fixações adicionais dos alto-falantes, antenas e outros equipamentos.”

Liminar negada

O Comitê Rio-2016 admitiu que há uma lista de coisas há serem feitas no Maracanã e que, de fato, extrapolou o prazo de 60 dias, que contava da data de 4 de novembro. No entanto, negou que essas falhas sejam de sua responsabilidade. Os itens já estavam nesse estado antes de março. Porém, serão fixados pelos técnicos contratados do Comitê.

O Rio-2016 alega que “esses equipamentos soltos não apresentam risco iminente” e que “ os torcedores não correm e nem correram nenhum tipo de risco.”

Sem julgar o mérito sobre quem é responsável pelos reparos no Maracanã, ontem a Justiça do Rio negou o pedido da Maracanã S.A. para que não reassumisse o estádio do Governo do Estado até que fossem resolvidas pendências deixadas pelo Comitê.

O desembargador Henrique Carlos Figueira, da 5ª Câmara Cível do TJ-RJ, determinou que o consórcio permaneça à frente da gestão e assuma os custos do Maracanã. O descumprimento gera multa diária de R$ 200 mil.

Em sua decisão, o desembargador cita a obrigação assumida pelo Consórcio Maracanã, no contrato de concessão feito junto ao governo do estado do Rio, de "gerir, operar e manter o complexo esportivo Maracanã (...), sujeito aos princípios de eficiência e continuidade". A Justiça ainda vai julgar os méritos da ação.

Anteontem, a luz do estádio foi cortada por falta de pagamento. O consórcio garantiu que já acertou o débito, no valor de R$ 1 milhão, referente às contas de novembro e dezembro. Já o Rio-2016 afirmou ter quitado, ontem, todas as contas de luz das arenas olimpíacas que estavam pendentes. O total passou de R$ 5 milhões.

Foto: Divulgação
SITE OFICIAL DO FLAMENGO: O Carnaval carioca vai ser ainda melhor para os sócios-torcedores do Mengão. Os membros do Programa Nação Rubro-Negra poderão aproveitar benefícios exclusivos para curtir a programação carnavalesca da Fundição Progresso, icônica casa de shows no centro do Rio de Janeiro. Serão três eventos com vantagens para os STs.

No Baile da Maria, com a cantora Maria Rita, no Baile de Carnaval do Monobloco e Casuarina, e no pós-Carnaval, com Matheus e Kauan, Dilsinho e Nego do Borel, os sócios-torcedores terão direito a 50% de desconto nos ingressos e ainda poderão usar pontos para resgatar entradas para os shows. Em cada evento, haverá 10 ingressos para resgate no site do Nação, por 350 pontos cada.

O primeiro evento acontece já no próximo dia 26 de fevereiro, domingo de Carnaval. Maria Rita retorna ao palco da Fundição Progresso para seu tradicional baile, com encerramento do Cordão da Bola Preta - o mais antigo bloco do carnaval carioca, que em 2017 completa 99 anos. A festa promete ser bastante animada!

No dia seguinte, é a vez de Monobloco e Casuarina subirem no palco da Fundição em duas apresentações completas, pra não deixar nenhum folião parado. A noite vai começar com o Casuarina e teminar com o Monobloco. Entre os shows, eles farão uma música juntos, pela primeira vez dividindo um palco no Rio de Janeiro.

E para não deixar ninguém triste com o fim do Carnaval, no dia 3 de março, um encontro de ritmos: a dupla sertaneja goiana Matheus e Kauan, de hits como "O Nosso Santo Bateu" e "Que Sorte a Nossa", o funkeiro Nego do Borel, com seu hit "Você Partiu Meu Coração", e Dilsinho, nova voz do "samba-pop-romântico".

Flamengo voltará a ter a sua torcida no Maracanã - Foto: Complexo Maracanã
SITE OFICIAL DO FLAMENGO: O Flamengo informa que entrou em acordo com a Concessionária Maracanã S.A para realizar sua estreia na CONMEBOL Libertadores Bridgestone no estádio Mario Filho, no próximo dia 8 do março.

Este anúncio ocorre após longo processo de avaliação técnica da viabilidade de o Maracanã receber o jogo em questão e, apesar de ser um acordo pontual e não ter nenhuma relação com o processo de negociação da concessão do estádio que está em curso, demonstra que o Flamengo não mede esforços para atender da melhor maneira possível sua imensa torcida e que a viabilidade do Maracanã depende diretamente de seu envolvimento, da mesma maneira que ocorreu em algumas partidas após os Jogos Olímpicos.

As obras do estádio da Ilha do Governador seguem em estágio avançado, visando sua liberação com a maior brevidade possível, sem abrir mão da segurança e conforto do nosso principal patrimônio, o torcedor.

As informações sobre a venda de ingressos para Flamengo x São Lorenzo serão divulgadas em breve nos canais oficiais de comunicação do clube.


Foto: Murilo Amadei/LSB
GLOBO ESPORTE: Brigando pela liderança, série de quatro vitórias seguidas e com o elenco praticamente completo. Esse é o momento do Flamengo no Novo Basquete Brasil. Apesar da empolgação e a possibilidade de fechar a fase de classificação na liderança, o técnico José Neto, acredita que a partida desta quinta, contra o Paulistano, precisa ser o foco do time

– Claro que nós queremos estar entre os quatro primeiros, essa é uma primeira meta, pra que a gente possa ter uma semana e não jogar a primeira fase dos playoffs, para poder treinar e preparar pro restante. A gente vai buscando isso a cada partida, como eu falo pra eles, cada jogo vale não só uma vitória, mas vale a posição, nos manter entre os quatro primeiros, pra que a gente tenha depois o foco nos playoffs. Por isso, a gente foca sempre o próximo jogo, é importante demais essa partida contra o Paulistano, pra poder continuar mantendo as primeiras posições e ficar próximo do nosso objetivo – afirmou o técnico.

Com muitos problemas de lesão na temporada, o treinador também comemora o elenco praticamente completo, já que ainda falta a volta do armador Humberto, e espera que todos os jogadores cheguem ao seu nível de jogo o mais rápido possível.

– A gente está completo de jogadores, ainda falta o Humberto que está voltando, mas ainda falta muito para gente ter o nosso time com todos os jogadores jogando no nível que eles podem jogar coletivamente. A gente vem numa crescente, num ritmo bom, os treinos estão servindo bastante pra ganhar esse ritmo e agora é focar no próximo jogo – disse Neto.

Com a vitória, o Flamengo chegou à liderança provisória do NBB, com 16 vitórias em 21 jogos (76,2% de aproveitamento). O Brasília, com quem o Rubro-Negro disputa a posição ponto a ponto, joga nesta quarta-feira contra o Pinheiros, fora de casa, e, se vencer, reassume o topo da classificação. O Flamengo volta à quadra na quinta-feira, quando encara o Paulistano, às 19h30, no Ginásio Antônio Prado Jr., em São Paulo.

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo
LANCE: O impasse segue tomando conta da realização do clássico entre Flamengo e Vasco. Ainda na expectativa para saber onde a semifinal da Taça Guanabara acontecerá, e se ela está confirmada para o sábado de Carnaval, os dois clubes entraram para uma lista um tanto quanto incômoda da história do futebol nacional.

Não é a primeira vez que problemas extracampo seguram a audiência de torcedores em torno de partidas e até competições. O LANCE! traz alguns dos mistérios que esperaram até o último capítulo para saber se tiveram um final feliz.

1987 - A (COPA) UNIÃO PERDE A FORÇA

Por discordarem da interferência da CBF, que decidiu que o vencedor da Copa União seria confirmado em um quadrangular entre campeão e vice do Módulo Verde, e campeão e vice do Módulo Amarelo, Flamengo e Internacional abandonaram o restante da competição. O Sport sagrou-se campeão após superar o Guarani, mas o Fla ainda pleiteia na Justiça o título de campeão de 1987, concedido pela CBF ao clube pernambucano.

1988 - REGULAMENTO-SURPRESA NO BRASILEIRÃO!

A desorganização imperou no Brasileiro de 1988. Às vésperas da competição, regulamento e até a escala de árbitro não estavam estabelecidos. Inovação promovida pela CBF, a disputa de pênaltis após jogos que terminassem empatados também rendeu uma situação inusitada: árbitro e atletas de Vitória e América só ficaram a par da regra no intervalo do jogo.

A regra não foi bem recebida por todos os clubes: após empatarem em 1 a 1 no dia 3 de setembro, Fluminense e Botafogo se recusaram ir para a marca de cal no Maracanã. O estádio foi reaberto no dia 5 de outubro (data da promulgação da Constituição) somente para a disputa de pênaltis, e teve vitória por 5 a 4 do Tricolor das Laranjeiras.

1993 - NÃO VAI TER JOGO!

O Palmeiras entrou em campo para o confronto com o Vasco em uma noite de quarta-feira pelo Brasileirão, mas... o adversário não compareceu. Amparado por uma medida cautelar que exigia um descanso mínimo de 66 horas entre jogos aos atletas (a equipe enfrentara o Guarani na segunda-feira), o Cruz-Maltino sequer foi a São Paulo. O duelo foi remarcado.

1997 - PARALISAÇÃO E ABANDONO NO CARIOCA

Amparado no fato do Vasco ter quatro jogadores cedidos à Seleção Brasileira (Carlos Germano e Edmundo na principal que disputava a Copa América, e Hélton e Pedrinho disputando o Mundial Sub-20), o dirigente Eurico Miranda paralisou o Estadual por cerca de um mês. A decisão atrasou o Terceiro Turno e despertou irritação do Flamengo, que abandou a sequência do Estadual, a ponto de não entrar em campo diante de Americano e Vasco.

1998 - CARIOCA, A GENTE NÃO QUER JOGAR MAIS...

As mudanças de datas nos jogos do Vasco pelo Campeonato Carioca de 1998 fizeram os outros grandes adversários tomarem uma medida drástica. Na reta final da Taça Rio, Flamengo, Fluminense e Botafogo passaram a não comparecer em jogos. O Rubro-Negro e o Fogão não enfrentaram o Cruz-Maltino, e a dupla Fla-Flu fez um WO duplo.

1999 - UM PARA LÁ, OUTRO PARA CÁ EM CLÁSSICO

Uma desavença quanto ao mando de campo rendeu polêmica no duelo entre Vasco e Fluminense, no Torneio Rio-São Paulo. Vascaínos entraram em campo para o clássico em São Januário, enquanto tricolores, na hora marcada, foram para o jogo no Maracanã. O Cruz-Maltino foi derrotado por WO.

1999 - DECISÃO DE BRASILEIRO TEM HORA!

Marcada originalmente para as 16h de uma quarta-feira, a decisão do Brasileirão de 1999 teve seu horário mudado graças a uma decisão judicial: o então prefeito de São Paulo, Celso Pitta, entrou com uma solicitação cautelar para não permitir que o duelo começasse antes das 21h. Seu objetivo era prevenir tumultos no trânsito e na rotina da cidade. O jogo foi disputado a partir das 21h40.

MKRdezign

{facebook#https://www.facebook.com/oficialsouflamengo} {twitter#https://www.twitter.com/SiteFlaHoje} {google-plus#https://plus.google.com/u/0/+FlamengoHoje} {youtube#https://www.youtube.com/create_channel}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget